Coca-Cola é isso aí

Multinacional anuncia ter encerrado 2010 R$ 17,7 bilhões mais gorda

sistema Coca-Cola Brasil fechou o ano de 2010 com faturamento de R$ 17,7 bilhões e investimentos de cerca de 2,2 bilhões. Com isso, a companhia atingiu volume de vendas de 10,6 bilhões de litros, o que significa crescimento de 11% na comparação com o resultado de 2009. No mundo, a empresa registrou crescimento de 5%, sendo que no quarto trimestre do ano passado cresceu 6%. Já o crescimento na América Latina foi de 5%, o mesmo percentual obtido no último trimestre de 2010. No Brasil o crescimento foi de 7%, conforme anunciou nesta quarta-feira o presidente da Coca-Cola Brasil, Xiemar Zarazúa, para quem a companhia vai investir ao longo deste ano cerca de R$ 2,5 bilhões e frisou que, de 2010 a 2014, a empresa vai implementar investimentos da ordem de R$ 11 bilhões. Nos últimos cinco anos a empresa investiu R$ 6 bilhões. 

-O Brasil tem cumprido o seu papel no atual cenário global, onde estão cada vez mais evidentes suas demonstrações de fôlego para crescer e abrigar negócios bem-sucedidos, baseados em seus fundamentos. Acreditamos neste potencial – comentou, ressaltando que o Brasil já é o quarto mercado para a companhia, perdendo, apenas, para os EUA, México, e China.

E salientou que a marca Coca-Cola continua sendo o carro-chefe da companhia. No ano passado, obteve crescimento de 12,5%.

– O Brasil está muito bem. A economia cresce e a empresa cresce no mesmo passo. Nosso grande desafio é continuar ampliando nosso portfólio para atender as demandas dos atuais e futuros consumidores – comentou, acrescentando que os recursos direcionados para investimentos contemplarão ações de em infra-estrutura, expansão e novas fábricas.

O diretor de Comunicação e Sustentabilidade da empresa, Marcos Simões, lembrou que, no ano passado, a Coca-Cola deu o primeiro passo ruma à garrafa sustentável do futuro ao se tornar pioneira no lançamento da PlanBottle na América Latina. Por ser 30% a base de planta, a embalagem, feita de PET, no qual o etanol da cana-de-açúcar substitui parte do petróleo utilizado como insumo, reduziu a emissão de gás carbônico (CO2) em 20%. E acrescentou que a empresa inaugurou, em Maceió, a primeira fábrica verde de refrigerantes do sistema, concebida dentro doa mais “rígidos padrões de sustentabilidade ambiental a conviver com bebidas e alimentos”.

Marcos Simões disse ainda que o ano de 2010 também foi marcado por grandes lançamentos como o Powerade, para hidratação dos atletas. Segundo ele, o produto chegou ao Brasil em maio do ano passado com uma proposta inovadora, ma vez que contém vitaminas do complexo B (B3,B6 e B12), carboidratos em concentração ideal para o consumo durante a prática de exercícios físicos prolongados, além de repor líquidos e sais minerais.

O Sistema Coca-Cola Brasil, segundo ele, gera 53 mil empregos diretos e só no ano passado abriu 9 mil novas vagas, e cerca de 500 mil empregos indiretos. Conta com 150 produtos de vários segmentos, 16 fabricantes de Coca-Cola, 46 unidades industriais, 37 fábricas de refrigerantes, três fábricas de chás, duas de sucos, uma de concentrados e três de água mineral.

Marcelo Bernardes

Indústria catarinense inova e coloca no mercado camisinha para as bombonas de água mineral

         O consumidor ambientalmente consciente e que deseja o melhor produto para consumir vive alguns dramas cotidianos. Ele não tem, por exemplo, a segurança de que o garrafão de 20 litros de água mineral seja devidamente utilizado quando está nas residências e o resultado é uma eterna suspeita quanto à real capacidade das envasadoras de garantir a perfeita higiene das embalagens.

         “As empresas que se antecipam na apresentação de soluções para problemas como o acima mencionado ganham expressivas vantagens competitivas“, salienta o diretor regional do SENAI de Santa Catarina. Além dos cursos de educação profissional, a instituição presta serviços de metrologia e de consultorias em gestão ambiental e tecnológica. Esta última auxilia as indústrias a desenvolver inovações.

Camisinha da água mineral

          Em 2011 deverão chegar ao mercado as primeiras bombonas de 20 litros de água mineral revestidas com uma película de plástico, que separa o frasco do líquido. Chamada oficialmente de Watterbag, mas apelidada de “camisinha da água mineral”, a invenção é uma iniciativa da Radcontrol Tecnologias para o Futuro, de Florianópolis. A empresa buscou um fornecedor de um plástico apropriado para uso em alimentos e no SENAI encontrou o apoio para a construção da máquina. A solução tecnológica foi encontrada e aprovada e o segundo passo é a redução do tamanho e a ampliação do número de cabeçotes, para facilitar a instalação e permitir o uso por envasadoras com maior volume de produção.

         Fiscalização aperta o setor de água mineral A Radcontrol constatou que é possível melhorar a qualidade da água vendida. Pesquisa do Inmetro em nove estados mostrou que, em alguns casos, até 70% das amostras estavam inadequadas por possuírem quantidade excessiva de microorganismos (patogênicos ou não). Outra vantagem pode ser econômica. Com a película, as envasadoras poderão pleitear uma mudança na legislação que determina o prazo de 36 meses de validade das bombonas. No segundo semestre de 2010, os consumidores da Grande Florianópolis perceberam que os supermercados começaram a prestar atenção à data de validade dos vasilhames recebidos. A Vigilância Sanitária apertou a fiscalização e as indústrias tiveram que colocar novas bombonas no mercado. “Outra redução de custos pode ocorrer no processo de produção, já que hoje a limpeza dos garrafões exige o consumo de 10 litros de água mineral (ou seja, 50% do volume a ser vendido”, explica o físico Walmoli Gerber Jr, diretor da Radcontrol.

Fonte: http://www.acontecendoaqui.com.br/posts/industria-catarinense-inova-e-coloca-no-mercado-camisinha-para-as-bombonas-de-agua-mineral

 

Água mineral em garrafa PET tem desreguladores endócrinos

Pesquisa da Universidade de Frankfurt comprova que 61% da água engarrafada em plástico estava contaminada; químico pode causar distúrbios hormonais


O Departamento de Ecotoxicologia Aquática da Universidade Goethe de Frankfurt divulgou recentemente estudo que constata a presença de desreguladores endócrinos na água mineral engarrafada em embalagem plástica. Os desreguladores são substâncias químicas que agem dentro do sistema endócrino, podendo causar distúrbios na síntese, secreção, transporte, ação ou na eliminação de hormônios, além de interrupção do próprio mecanismo hormonal. A pesquisa usou amostras de água engarrafada na França, Alemanha e Itália. Das 18 águas analisadas, 11 delas (61,1%) apresentaram uma resposta estrogênica significativa no ensaio biológico.
O resultado, de acordo com os pesquisadores, comprova que a embalagem PET é uma fonte de substância que age como estrogênio. Ainda segundo a pesquisa, a mesma água engarrafada em vidro apresentou 3x menos atividade estrogênica.  Os resultados estão de acordo com estudos anteriores e indicam que a contaminação de água mineral engarrafada com desreguladores endócrinos é um fenômeno transnacional.

Fonte: Science Direct

EM ALAGOAS

http://www.saude.al.gov.br/audio/vigilanciasanitariaesetordeaguamineralfazemp

Vigilância Sanitária e DNPM vão fiscalizar envasadoras de água mineral

Técnicos verificam garrafões, procedimento de captação, canalização, rotulagem, etc

Reunião define fiscalização (Foto: Assessoria)

Para assegurar maior eficiência nas ações de fiscalização nas empresas envasadoras de água mineral a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) firmaram convênio nesta terça-feira (15) para desenvolver ações integradas.

A partir do convênio técnico do DNPM e da Vigilância Sanitária Estadual poderão inspecionar as envasadoras que comercializam água mineral, que além do alvará de funcionamento, que deve ser emitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), esses estabelecimentos devem obedecer às normas de higiene, parâmetros que medem a quantidade de minerais na água e seguirem especificações inerentes à obrigatoriedade de apresentarem um selo de qualidade nos garrafões de 10 e 20 litros.

Por meio do convênio, os técnicos do DNPM e da Vigilância Sanitária Estadual poderão inspecionar simultaneamente o cumprimento dos parâmetros exigidos para a comercialização de água minera. Entre eles está o alvará de funcionamento, emitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), as normas de higiene, especificações no rótulo e selo de qualidade nos garrafões de 10 e 20 litros.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Alexandre Toledo, a partir de agora as envasadoras terá que cumprir a legislação na sua integralidade, já que nenhum ponto da legislação vigente ficará sem a devida inspeção com a ação integrada dos técnicos da Vigilância Sanitária Estadual e do DNPM. “Com este convênio, as atribuições de cada um dos órgãos serão cumpridas simultaneamente, levando as envasadoras a sempre atuarem em conformidade com a legislação”, destacou.

O diretor da Vigilância Sanitária Estadual, Paulo Bezerra, informou que em Alagoas existem 12 empresas envasadoras de água mineral e outras duas que envasam água adicionada de sais. Durante as fiscalizações os técnicos vistoriam o reservatório, o setor de envase e de higienização dos garrafões, além da edificação do prédio, instalações e todo procedimento para captação, canalização, rotulagem, seleção de insumos, transporte, embalagem e controle de qualidade.

Para o superintendente estadual do DNPM, José Antônio Alves, a parceria com a Sesau irá assegurar que “os alagoanos consumam água mineral de qualidade, pois ela pode ser a transmissora de várias doenças, caso esteja contaminada. E o convênio com o DNPM irá assegurar que a Vigilância Sanitária Estadual atue com maior eficácia e realize fiscalizações amplas, analisando todos os pontos que devem ser vistoriados durante inspeções”, sentenciou.

EDIÇÃO 15 DO JORNAL ITATI

Acesse o link:

http://www.itati.com.br/din/aguaviva/aguaviva_ed15.pdf

Adulteração de produtos: não compre “gato por lebre”

Publicado em 17 de janeiro de 2011 por itati

Com a chegada do verão e o aumento do consumo de produtos da estação, alguns itens eventualmente podem ter alguma dificuldade em serem encontrados pelos consumidores.

Mas este não é o caso da Itati Água Mineral Natural em garrafões de 20 litros. Contando com um parque industrial moderno,  sua produção é ampliada no verão de forma suficiente a atender toda a sua clientela de distribuidores.

Mas eventualmente ocorrem rumores que alguns indivíduos que vendem e entregam estes produtos estariam cometendo irregularidades durante o processo de distribuição.

Segundo informações,  uma minoria de entregadores sem escrúpulos  estaria valendo-se de embalagens antigas para cometer a adulteração. Alguns vendedores (uns até mesmo sem o devido registro junto às prefeituras municipais), estariam retirando os rótulos de embalagens vazias  de produtos com valor comercial mais elevado como a Itati por exemplo, e colocando em embalagens de produtos similares de menor valor ou de procedência duvidosa. Agindo dessa forma ludibriam o consumidor que além de sofrer um prejuízo econômico, pensa estar consumindo um produto de melhor qualidade ou de sua confiança; mas na verdade está sendo lesado.

O lacre original (com a mesma logo do rótulo) é a garantia de um produto autêntico.

Normas legais:

Segundo os ditames do art. 272 do Código Penal Brasileiro, falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de substância ou produtos alimentícios é crime punível com reclusão de quatro (quatro) a oito (oito) anos, e multa.

Informações relevantes:

A ingestão de alimentos ou bebidas contaminadas pode causar febre, mal estar, náuseas, vômitos e diarréia.

Veja os Cuidados que o consumidor deve ter na hora da compra:

– Sempre adquirir os produtos em locais e de distribuidores autorizados e de confiança do consumidor.

– O consumidor deve estar sempre atento ao lacre, o rótulo e a tampa da embalagem.

– A embalagem, rótulo e lacre devem ser da MESMA empresa. Caso contenham nomes diferentes de empresa ou de outro produto, devem ser recusados.

– Fotos dos produtos autênticos em embalagens originais são facilmente encontradas nos sites dos fabricantes.

– Caso você não tenha acesso a Internet, solicite pelo telefone do SAC do fabricante o envio de um folder pelos correios com fotos dos produtos para que você possa verificar a autenticidade dos mesmos.

– Em caso de dúvida o consumidor deve entrar em contato com o SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) da empresa, ou a Vigilância Sanitária do Estado ou Município.

– Sempre peça nota fiscal discriminada com o nome do vendedor, endereço, telefone e CNPJ do vendedor ou distribuidor. Recuse recibos ou apenas uma cópia do pedido de compra.

Sites:

www.anvisa.gov.br

www.dnpm.gov.br

http://www.inmetro.gov.br/

Em Canoas:

Departamento de vigilância Sanitária –  Rua Ipiranga, 70 Canoas – RS   3427 3222

Nos demais municípios as informações sobre a situação e regularidade dos distribuidores podem ser obtidas junto às prefeituras municipais nas secretarias de indústria e comércio e vigilância sanitária.

Linha de produção
Garrafões de Itati na linha de envase.
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 751 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: