ÁGUA MINERAL É A NOVA BEBIDA DA MODA NA CHINA

VENDAS DOBRARAM EM CINCO ANOS – ACIRRANDO A BRIGA ENTRE PRODUTORES COMO DANONE, NESTLÉ E COCA-COLA

China aumenta seu consumo de água engarrafada (Foto: Thinkstock)CHINA AUMENTA SEU CONSUMO DE ÁGUA ENGARRAFADA (FOTO: THINKSTOCK)

Nunca vendeu-se tanta água engarrafada – no mundo todo. Mas em nenhum país o consumo do produto vem aumentando tanto como na China. As vendas no país dobraram nos últimos cinco anos, chegando a 33 bilhões de litros em 2014. Com o avanço, a China ultrapassou os Estados Unidos, tornando-se o maior mercado de água engarrafada do mundo. Essa nova tendência no país asiático foi destaque em edições recentes dos veículos ingleses Financial Times e The Economist.

Os fabricantes locais – há milhares deles – ainda detêm a maior parte das vendas. Mas em um mercado em ebulição, há cada vez mais espaço para as grandes marcas ocidentais – como Danone (dona, por exemplo, da Evian), Nestlé (Perrier-Vittel) e Coca-Cola (SmartWater). Em matéria do Financial Times, a diretora financeira da francesa Danone, Cecile Cabanis, referiu-se à China e aos mercados asiáticos em geral como fundamentais para expansão das marcas de água da empresa nos próximos anos.

A China é um mercado gigantesco para quase tudo. Mas há, no caso da água engarrafada, um fator adicional para explicar o ímpeto dos consumidores: a dificuldade em conseguir água de qualidade no país. Nos últimos 60 anos, a China perdeu metade de seus rios e a água que sobrou (em rios, lagos e lençóis subterrâneos) está poluída. O governo vem realizando obras em escala monumental para tentar abastecer a população crescente, mas há problemas que parecem intransponíveis para garantir a qualidade daquilo que está sendo fornecido. O problema é ainda maior nas grandes cidades, infladas pela migração das ultimas décadas. Uma reportagem da The Economistdescreve o drama vivido pelos chineses: mesmo nos raros casos em que a água atende aos padrões mínimos de qualidade na fonte, seu consumo pode ser prejudicial depois de percorrer as tubulações em decomposição espalhadas pelo país.

A reportagem também relata a falta de controle das autoridades sobre os produtores locais. Em geral, há pouca fiscalização e o nível de tolerância à presença de metais pesados nocivos à saúde (como cádmio e arsênio) na água engarrafada é alto demais. Em dezembro passado, descobriu-se que um quarto da água engarrafada vendida em Xangai estava contaminada com bactérias. Isso incluia a marca mais vendida no país, a Hangzhou Wahaha, pertencente a um dos chineses mais ricos do mundo (e que já teve uma parceria com a Nestlé).

Nesse cenário, quem tem dinheiro corre aos supermercados para comprar água – e, muito melhor, na concepção deles, se na garrafa estiver estampado o rótulo de uma marca com reconhecimento mundial. Vendidas com essência de frutas exóticas ou em sua composição mais pura, a água de produtores como Danone podem custar até 18 yuan (aproximadamente R$ 9 reais) – contra 1 yuan (R$ 0,50) cobrado, em média, pelos produtos de fabricantes locais. Juntas, Coca-Cola, Danone e Nestlé ainda têm pouco mais de 13% do mercado. Mas nunca a perspectiva para essas marcas pareceu tão promissora.

Consumo cresce no mundo

Marcas de água da Danone, Nestlé e Coca-Cola podem aumentar a participação no mercado chinês (Foto: Thinkstock)MARCAS DE ÁGUA DA DANONE, NESTLÉ E COCA-COLA PODEM AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO NO MERCADO CHINÊS (FOTO: THINKSTOCK)

Globalmente, o consumo de água engarrafada cresceu 6% desde 2008, segundo a Canadean, especializada em pesquisas de mercado. Se mantiver essa tendência, até o final deste ano, a água passa a ser a mais vendida entre os soft drinks (categoria que inclui os carbonatados, como refrigerantes).

São os países da Ásia, com destaque para a China, que devem puxar essa expansão até pelo menos 2016. O crescimento estimado para a região é 12% – quase o dobro do que deve crescer o segundo lugar, o Oriente Médio. Na América Latina, o aumento estimado para o período de 2011 a 2016 é de 4%.

Além dos problemas de abastecimento, outras questões também têm contribuído para o avanço, segundo a reportagem do Financial Times. Há iniciativas de alguns governos que aumentaram os impostos sobre produtos com alto teor de açúcar. Há ainda uma preocupação maior da população em consumir bebibas mais saudáveis. Mas essa consciência acontece de forma mais abrangente apenas em países europeus, onde o crescimento previsto do mercado no período será de apenas 2%. Os europeus também estão bebendo mais água. A diferença é que lá, diferentemente do acontece na maior parte das regiões dos países em desenvolvimento, água boa vem da torneira mesmo – e é de graça.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: