Votação do Mínimo Regional fica para Próxima Semana

Votação do Minímio Regional fica para a próxima semana Sem acordo, deputados decidirão a partir dos 6,9% do projeto

Samir Oliveira Sindicalistas e representantes patronais não chegaram a consenso. Foto: Marco Couto/Agência AL/JC

        Não houve acordo na reunião de ontem entre sindicalistas e empresários para definir um índice de aumento ao salário-mínimo regional.

        A expectativa era que após a apresentação das duas propostas, um novo valor fosse definido em consenso, como alternativa aos 6,9% do projeto de lei enviado pelo governo do Estado. Apesar de sucessivas discussões sobre o assunto desde o final de abril, prevaleceu o impasse também na reunião de ontem, na Assembleia Legislativa – já que os trabalhadores defendem os 14% e as federações empresariais propõem 3,54%.

        O vice-presidente da Federasul, Gustavo Ene, reconhece que não será possível diminuir os 6,9% que já tramitam no Parlamento. “O ideal seria 0%, pois o piso regional acaba com a competitividade do Estado”, criticou.

        O presidente da Central Única dos Trabalhadores no Rio Grande do Sul (CUT-RS), Celso Woyciechowski, lamentou a falta de consenso para o reajuste. “Os empresários, com uma visão absolutamente conservadora, voltaram a defender a extinção do índice. Querem acabar com o piso”, desabafou.

       O impasse entre representantes de empresas e centrais sindicais se refletiu no encontro entre os líderes das bancadas, que ocorreu logo em seguida à reunião sobre o mínimo. Os deputados não deram acordo para que o projeto fosse votado ainda nesta semana. O presidente da Assembleia, Giovani Cherini (PDT), acredita que a matéria possa ser apreciada na próxima terça-feira. “Há interesse dos parlamentares em aumentar o reajuste que veio do governo. Agora o debate é com os deputados, vamos construir um índice da Casa”, afirmou.

        Nos bastidores, os trabalhadores, que lotaram a antessala da presidência do Legislativo, admitem que um índice de dois dígitos não passaria pelo plenário. Nesse contexto, uma proposta que pode vigorar é reajustar em 9,2% – mesmo percentual concedido ao salário-mínimo nacional. Entretanto, o projeto só será votado se houver acordo unânime entre as bancadas.

      Os parlamentares se dividem quanto a um percentual definitivo. O deputado Heitor Schuch (PSB) garantiu que vai protocolar uma emenda para assegurar os 14%, índice proposto pelas centrais sindicais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: